Rochas no mercado internacional: exportações crescem nos primeiros meses do ano com destaque para os quartzitos


A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e a tendência pela compra de quartzitos brasileiros no mercado internacional – apresentados em grande escala durante a última edição da Vitoria Stone Fair | Marmomac Latin America – foram fatores determinantes para o crescimento das exportações de rochas ornamentais no primeiro trimestre deste ano.   

Dados divulgados pela Associação Brasileira de Rochas Ornamentais (Abirochas) apontam que, pela primeira vez desde 2013, as vendas para o mercado externo fecharam com variação positiva: 8,29% em valor (US$ 223,2 milhões) e 4,03% em volume físico (451,5 mil toneladas), no comparativo com o mesmo período do ano passado.

Confirmando a tendência dos lançamentos apresentados durante a Vitoria Stone Fair | Marmomac Latin America, em fevereiro de 2019, as exportações de quartzitos tiveram um desempenho excepcional no período analisado, com o dobro das vendas de chapas e incremento superior a 50% nas exportações de blocos do material. Os dados da Abirochas apontam que as chapas de quartzito já representam o segundo principal item exportado pelo setor e que, em 2020, as vendas desses produtos maciços poderão igualar ou até superar às de granitos e rochas similares.

O consultor técnico da entidade, Cid Chiodi, atribui o aumento nas exportações ao contingenciamento das rochas chinesas nos Estados Unidos – principal país de destino dos materiais brasileiros. “O aumento nas exportações foi significativo porque alterou uma trajetória de queda que nos acompanhava há alguns anos”, pontuou.

Chiodi acrescenta que a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China pode até ser benéfica para o Brasil a curto prazo, mas a médio e longo prazo, o país precisa investir em medidas para mudar a trajetória de quedas nas vendas, na denominada terceira onda de exportação do setor.

O especialista explica que primeiro o Brasil exportava blocos (primeira onda), depois as chapas serradas e polidas (segunda onda) – colocando o Brasil como o quarto player mundial – e agora o foco são os produtos acabados, agregando valor aos materiais. Esse movimento foi carimbado nas exposições Brazilian Stones Original Design e Stone Collection, realizadas durante a última edição da Vitória Stone Fair. (link)

“É hora de modernizar as indústrias e os processos de finalização das rochas para entregar produtos acabados para o comércio exterior, investindo em soluções para construção civil”, finalizou.  

Líder

No primeiro trimestre de 2019, o Espírito Santo exportou US$ 178,3 milhões em rochas ornamentais, confirmando a liderança entre os principais estados exportadores. Em segundo lugar está Minas Gerais, com US$ 25,3 milhões. O principal destino das pedras brasileiras no mercado internacional continua sendo os Estados Unidos, que importaram US$ 134,2 milhões no período analisado.

A Vitoria Stone Fair | Marmomac Latin America 2020 já tem data marcada e será realizada entre os dias 11 e 14 de fevereiro de 2020. O evento é uma realização da Milanez & Milaneze, empresa do Grupo Veronafiere, com promoção do Sindicato das Indústrias de Rochas Ornamentais, Cal e Calcários do Estado (Sindirochas) e Centro Tecnológico do Mármore e do Granito (Cetemag) e apoio da Abirochas.





Cachoeiro Stone Fair
Stone Industry